Correção FGTS (1999-2012)

Desde 1999, o FGTS dos trabalhadores brasileiros está sendo corrigido de maneira errada. O confisco na correção chega a 88,3%. Só nos últimos 2 anos, a correção soma, aproximadamente, 11% de perda.

Por exemplo, um trabalhador que tinha R$ 1 mil no ano de 1999, tem hoje com a correção errada da TR (Taxa de Referência) apenas R$ 1.340,47, sendo que os cálculos corretos indicam que a mesma conta deveria ter R$ 2.584,66 – uma diferença de R$ 1.245,97 no valor do Fundo.

Para solicitar esta correção, o trabalhador precisa ter trabalhado com carteira assinada de 1999-2013.

O FGTS só poderá ser sacado pelo trabalhador ao término de um contrato de trabalho, se for demitido sem jusa causa; quando se aposentar; se tiver uma doença grave ou para comprar a casa própria.

 

Veja o que aconteceu

  1. No ano 2000 a inflação foi de 5,27%, e o governo aplicou 2,09% nas contas;
  2. Em 2005 a inflação foi de 5,05%, e aplicaram 2,83% nas contas;
  3. Em 2009 a inflação foi de 4,11%, e as contas receberam só 0,7%;
  4. Desde setembro de 2012 a correção das contas tem sido de 0%.

 

Entenda o caso

A Taxa Referencial (TR) é o índice usado para corrigir as contas do FGTS. Porém, desde 1999, o Governo Federal não a aplica conforme os números da inflação anual. Com isso, o dinheiro do trabalhador vem ficando defasado.

A partir de 1999, a TR começou a ser reduzida, gradativamente, até que em setembro de 2012, chegou a zero. Ou seja, o dinheiro do trabalhador que está depositado no FGTS passou a ficar sem correção.

 

Procedimentos e documentos

A ação tramita perante o Juizado Especial Federal e são necessários os seguintes documentos:

  • cópia da carteira de identidade
  • cópia do comprovante de residência
  • cópia do PIS ou PASEP
  • extrato do FGTS fornecido pela Caixa Econômica Federal desde dezembro de 1998 até dos dias atuais
  • carta de concessão de aposentadoria (no caso dos aposentados)

 

Para saber mais fale conosco

Fique por Dentro

Consultor Jurídico
  • USP deve pagar salários a funcionários que estão em greve
    A Justiça do Trabalho determinou que a Universidade de São Paulo pague os salários descontados dos funcionários em greve. A juíza Fernanda Cobra, da Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, concordou com parecer do Ministério Público do Trabalho e fixou multa de...
  • Claus Roxin critica aplicação atual da teoria do domínio do fato
    O jurista alemão Claus Roxin, criador da teoria do domínio do fato, criticou, nesta segunda-feira (1º/9), em São Paulo, a aplicação que tem sido dada à sua tese. O professor reclamou da interpretação de que a teoria teria sido desenvolvida para tornar mais severas as penas das pessoas que comanda...
  • Citação e intimação serão feitas por meio eletrônico na Bahia
    Empresas públicas e privadas, com maior número de ações em trâmite, passarão a ser citadas e intimadas por meio eletrônico nos Juizados Especiais do estado da Bahia. Os Juizados podem solicitar à Coordenação dos Juizados Especiais (Coje) o cadastramento de empresas para esse serviço. Mesmo as emp...
  • Empossado presidente do STJ, Falcão promete lutar por remuneração
    O ministro Francisco Falcão tomou posse nesta segunda-feira (1º/9) como presidente do Superior Tribunal de Justiça. Ele sucede o ministro Felix Fischer, que passará a atuar na 5ª Turma do tribunal, que cuida apenas de matéria penal. A ministra Laurita Vaz assume, na mesma ocasião, o cargo de vice...
  • Magistrados aposentados atuam como voluntários em conciliações
    Magistrados aposentados atuaram, como voluntários, em conciliações promovidas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, por meio do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Brasília (Cejusc/BSB) e do Núcleo Permanente de Mediação e Conciliação (Nupemec).  Durante os dias 21 e...

Onde Estamos

  • Rua Felipe Neri, 382 sala 503
  • Bairro Auxiliadora
  • CEP: 90440-150
  • Porto Alegre/RS

Quem Somos

  • O escritório Paixão & Madeira presta serviços de assessoria e consultoria jurídica, com capacitação para representar judicialmente seus clientes em qualquer demanda dentro das áreas de atuação (Trabalhista, Consumidor, Cível e Previdenciário). Saiba Mais...